Máscaras de proteção respiratória de uso não profissional – o que são, cuidados antes do uso, como c

Dentro do conjunto de medidas protetivas, o uso correto de um simples dispositivo de proteção individual, como a máscara de proteção respiratória para uso não profissional, pode contribuir para salvar vidas e reduzir o custo social e humano da pandemia de COVID-19, assim como para reduzir a disseminação de outros agentes infecciosos, se combinado com as demais medidas de higiene, de distanciamento social e de saúde pública.

A Prática Recomendada ABNT 1002, no Guia de Requisitos Básicos para Métodos de Ensaio, Fabricação e Uso, pretende oferecer à sociedade brasileira um guia informativo para produção e fabricação de máscaras de proteção respiratória para uso não profissional, assim como para orientação para o seu uso correto, lavagem, reuso e descarte.

Este dispositivo não se destina a ser utilizado por profissionais de saúde em contato com pacientes, visto que as máscaras para uso médico ou cirúrgico destinadas à utilização por profissionais da área da saúde.

O que é Máscara de proteção respiratória para uso não profissional?

É o dispositivo facial que cobre nariz, boca e queixo, equipado com um conjunto de alças. Ela deve cobrir o nariz, a boca e o queixo e não pode possuir válvulas inspiratórias1 e/ou expiratórias2.

1 Válvula expiratória - Válvula antirretorno que permite que o ar exalado seja removido do dispositivo facial.

2 Válvula inspiradora - Válvula antirretorno que permite que o gás respirável entre no dispositivo e impede que o ar expirado saia pela inspiração.

A máscara de proteção respiratória para uso não profissional é uma ou composto multicamadas feito de tecidos com ou sem filme e deve possuir um dispositivo de ajuste na cabeça do usuário (conjunto de alças). Deve ser capaz de ser ajustada firmemente no nariz, bochechas e queixo do usuário, para garantir vedação suficiente contra a atmosfera ambiente no rosto do usuário, quando a pele estiver seca ou molhada, bem como quando o usuário estiver em movimento.

Ao adquirir e antes de utilizar o produto faça a Inspeção Visual, observando:

  • Embalagem: sem furos ou rasgos; sem sujeira interna; sem sinais de umidade interna; fechada.

  • Máscara: sem pontos de rompimento da costura; sem furos ou rasgos; sem deformação; sem mancha de qualquer tipo.

  • Conjunto de alças: Ruptura de uma ou mais alças; Perda da elasticidade, no caso da utilização de elástico; Desprendimento da costura;

O conjunto de alças deve ser resistente o suficiente para manter a máscara no lugar e para evitar o aperto excessivo e o desconforto durante o uso, pode cercar a cabeça ou as orelhas do usuário e pode ser feito com um elástico ou um laço de tecido, ligado ao composto multica­madas, costurado ou soldado à máscara de proteção respiratória para uso não profissional.

Importante: A inspeção da máscara deve ser realizado após cada um dos ciclos de lavagem. Se for detectado algum dano à máscara de proteção respiratória para uso não profissional (desajuste, deformação, desgaste etc.) após um ciclo de lavagem, a máscara de proteção respiratória para uso não profissional deve ser descartada.

Uso de máscara de proteção respiratória para uso não profissional

A máscara de proteção respiratória para uso não profissional não exime o usuário da aplicação das medidas de proteção complementadas pelas ações de distanciamento social e higiene, que são essenciais. As instruções de proteção coletiva devem ser tomadas prioritariamente às medidas de proteção individual.

O uso da máscara deve considerar a compatibi­lidade da sua utilização com o uso de equipamentos de proteção individual (EPI), como óculos de proteção, capacete de proteção, proteção contra ruídos individuais, etc.

Colocando a máscara de proteção respiratória para uso não profissional

Para alcançar proteção desejada, a máscara deve ser usada corretamente. Para isso, recomenda-se usá-la na pele nua (ou seja, sem a presença de cabelos em contato com a pele do usuário e, para algumas pessoas, com a pele raspada) e obedecer aos seguintes passos:

  • lavar as mãos com água e sabonete ou higienizá-las com preparação alcoólica a 70% ou álcool gel a 70% antes de manusear a máscara de proteção respiratória;

  • para o reaproveitamento da máscara de proteção respiratória para uso não profissional assegurar que ela tenha sido lavada com antecedência, de acordo com as recomendações;

  • localizar a parte superior da máscara de proteção respiratória para uso não profissional;

  • colocar a máscara de proteção respiratória para uso não profissional no rosto e o grampo ou clipe nasal (se existir) no nariz;

  • segurar a máscara de proteção respiratória para uso não profissional do lado de fora e passar os elásticos ou suportes de tecido por trás da cabeça, em ambos os lados das orelhas, sem atravessá-las;

  • abaixar a parte inferior da máscara de proteção respiratória para uso não profissional sob o queixo;

  • verificar se a máscara de proteção respiratória para uso não profissional está cobrindo o queixo;

  • ajustar o grampo ou clipe nasal (se existir) com ambas as mãos, para moldá-lo ao nariz;

  • verificar se a máscara de proteção respiratória para uso não profissional está devidamente ajus­tada. Isso requer monitoramento de impermeabilização e desconforto respiratório. Para verificar a impermeabilização, inspirar fortemente o ar, devendo a máscara de proteção respiratória para uso não profissional permanecer ajustada e afixada ao rosto;

  • uma vez ajustada, não tocar na máscara de proteção respiratória para uso não profissional com as mãos. Sempre que a máscara de proteção respiratória para uso não profissional for tocada, o usuário deve lavar as mãos com água e sabonete ou higienizá-las com preparação alcoólica a 70% ou álcool gel a 70%.

Remoção da máscara de proteção respiratória para uso não profissional

Para assegurar a não contaminação durante a remoção da máscara de proteção respiratória para uso não profissional, o usuário deve seguir as recomendações a seguir:

  • remover a máscara de proteção respiratória para uso não profissional segurando a tira da parte de trás, sem tocar na parte frontal da máscara de proteção respiratória para uso não profissional;

  • se necessário, retirar com antecedência as luvas de proteção utilizadas;

  • lavar as mãos com água e sabonete ou higienizá-las com preparação alcoólica a 70% ou por álcool gel a 70%;

  • colocar a máscara de proteção respiratória para uso não profissional para lavagem em um recipiente específico (embalagem plástica limpa);

  • lavar as mãos com água e sabonete e higienizá-las com uma solução alcoólica a 70% ou álcool gel a 70%;

  • limpar a parte externa do recipiente com um produto de limpeza específico.

Tempo de uso de máscara de proteção respiratória para uso não profissional

  • A máscara de proteção respiratória para uso não profissional deve ser lavada sempre após ser usada, molhada ou deslocada no rosto. Ela não pode ser colocada em uma posição de espera na testa ou sob o queixo, durante e após o uso.

  • As máscaras de proteção respiratória não podem ser reutilizadas após terem sido usadas ou molhadas.

  • Durante o período de 3 horas, a máscara de proteção respiratória para uso não profissional só pode ser utilizada várias vezes se for removida de acordo com as instruções, armazenada temporariamente, ou condicionada para oferecer o menor contato possível, e reutilizada de acordo com as instruções de uso.

  • A duração do uso da máscara de proteção respiratória para uso não profissional deve ser de acordo com as instruções de uso existentes. De qualquer forma, a duração pode ser somente de até 3 horas em um único dia.

Limpeza e secagem

Recomenda-se que a máscara de proteção respiratória para uso não profissional resista a um mínimo de trinta ciclos de lavagem. O ciclo completo de lavagem (umedecer, lavar, enxaguar) deve ser de pelo menos 30 min, a uma temperatura de lavagem de 60 ºC e com produtos especificados para essa finalidade.

A inspeção visual (com luvas de proteção ou com as mãos lavadas) deve ser realizada após cada ciclo de lavagem. Se for detectado algum dano à máscara de proteção respiratória para uso não profissional (menos ajuste, deformação, desgaste etc.), a máscara de proteção respiratória para uso não profissional deve ser descartada.

Lavagem e secagem da máscara de proteção respiratória para uso não profissional

  • A lavagem e secagem da máscara de proteção respiratória para uso não profissional devem estar de acordo com as instruções de uso do fabricante.

  • O contato entre uma máscara de proteção respiratória para uso não profissional usada (lavagem) e as roupas limpas deve ser evitado. A pessoa responsável deve se proteger para manusear as máscaras de proteção respiratória usadas, se elas não estiverem em embalagem plástica hidrossolúvel.

  • O manuseio das máscaras deve ser realizado sempre pelas alças ou nó na parte traseira, evitando tocar sua parte frontal.

  • Não é recomendado o uso de amaciantes.

  • A lavagem de máscaras de proteção respiratória pode ser realizada com tecidos velhos e inutilizados (como lençóis e toalhas) em máquina de lavar, para completar a carga e garantir a fricção mecânica do processo de lavagem.

Lavagem com água aquecida

  • Realizar a imersão da máscara de proteção respiratória para uso não profissional em recipiente com água potável e água sanitária (2,0 % a 2,5 %) por 30 minutos. A proporção de diluição a ser utilizada é de uma parte de água sanitária para 50 partes de água (por exemplo, 10 mL de água sanitária para 500 mL de água potável).

  • Após o tempo de imersão, realizar o enxágue em água corrente duas vezes, sem torcer a máscara de proteção respiratória para uso não profissional.

  • Lavar em seguida em uma solução com 1 L de água para 5 mL de detergente líquido e depois enxa­guar duas vezes em água corrente, sem torcer a máscara de proteção respiratória para uso não profissional.

  • Recomenda-se realizar a lavagem e o enxágue com água à temperatura de 60 C ou superior.

  • Não é recomendável utilizar produtos que não sejam os de lavanderia usual, sem ter se assegurado anteriormente de que eles não sejam tóxicos por resíduos inalados e que seus usos não degradem materiais.

Lavagem a frio com desinfecção por solução de hipoclorito de sódio

  • Realizar a imersão da máscara de proteção respiratória para uso não profissional em recipiente com água potável e água sanitária (2,0 % a 2,5 %) por 60 minutos. A proporção de diluição a ser utilizada é de uma parte de água sanitária para 50 partes de água (por exemplo, 10 mL de água sanitária para 500 mL de água potável).

  • Realizar a imersão da máscara de proteção respiratória para uso não profissional por completo na solução à temperatura ambiente e deixar em repouso por 1 hora. Após este processo, realizar dois enxágues em água corrente.

  • Lavar em seguida em uma solução com 1 L de água para 5 mL de detergente líquido e depois enxa­guar duas vezes em água corrente, sem torcer a máscara de proteção respiratória para uso não profissional.

  • A secagem deve ser realizada em estufa a 60 C, por 30 minutos.

Lavagem e desinfecção com detergente e fervura

  • Utilizar detergente enzimático (alcalino), conforme determinação da Anvisa e do Ministério da Saúde. A solução deve ser preparada com 1 L de água para 5 mL de detergente líquido.

  • Realizar a imersão da máscara por completo na solução, à temperatura em ponto de ebulição (fervura) de 100 ºC, por 10 minutos. Após este processo, realizar dois enxágues em água corrente. A secagem deve ser realizada em estufa a 60 ºC, por 15 minutos.

  • Repetir o processo por três vezes, seguindo as orientações da série ABNT NBR ISO 15883:1999, Ava­liação do desempenho da limpeza e desinfecção das máquinas lavadoras desinfetadoras automáticas em programas com diferentes tempo e temperatura.

  • Recomenda-se que a máscara de proteção respiratória esteja completamente seca dentro de 2 horas após a lavagem, preferencialmente utilizando-se secadoras com temperatura igual ou superior a 60 ºC.

  • Na lavanderia industrial, devem ser utilizados secadores. Para a secagem doméstica, usar secadora, com os seus filtros limpos.

  • Em todos os casos, as máscaras de proteção respiratória devem ser completamente secas (ou seja, todas as camadas de tecido).

  • Não é recomendável secar as máscaras em fornos de micro-ondas.

  • Todos os equipamentos de lavagem, enxágue e secagem devem ser higienizados com solução de cloro ou água sanitária, com diluição de derivado clorado (0,05 % = 500 ppm), ou seja, a cada 1 L de água, diluir 25 mL de cloro ativo (concentração de 2 % a 2,5%).

Secagem

  • O processo de secagem deve ser realizado preferencialmente em secadoras à temperatura igual ou superior a 60 ºC.

  • A secagem ao ar livre pode ser realizada, desde que as máscaras de proteção respiratória estejam acondicionadas em embalagens de tecido, que também tenham sido submetidas ao mesmo processo de lavagem e desinfecção que as máscaras de proteção respiratória, garantindo que elas não apre­sentem contato direto com o ar. Este processo deve ser realizado sob incidência direta de luz solar e em ambiente protegido de fatores externos, como intempéries, resíduos, trânsito de pessoas, ani­mais e outros.

Descarte da máscara de proteção respiratória para uso não profissional

  • As máscaras de proteção respiratória devem ser descartadas em lixeira com embalagem plástica, de preferência com tampa e não operadas manualmente. Recomenda-se utilizar emba­lagem dupla para preservar o conteúdo da primeira embalagem, em caso de ruptura da embalagem externa, durante a coleta.

  • Pode ser utilizada embalagem plástica hidrossolúvel durante a fase de lavagem. Limitar o contato das pessoas com máscaras de proteção respiratória usadas.

  • Máscaras de proteção respiratória contaminadas devem ser preferencialmente descartadas em lixeiras biológicas. Na ausência de lixeiras biológicas as máscaras contaminadas poderão ser descartadas em lixeiras comuns desde que atendidos os cuidados de lavagem descritos.

Precauções no uso de máscaras de proteção respiratória

A lista a seguir inclui exemplos de ações que devem ser evitadas:

  • a máscara de proteção respiratória para uso não profissional não pode ser usada para proteção contra produtos químicos;

  • a máscara de proteção respiratória para uso não profissional não pode ser congelada, visto que o agente viral é mantido e a 4 ºC e não perde o seu poder infeccioso;

  • as regras de distanciamento social devem ser respeitadas mesmo com o uso da máscara de proteção respiratória.

Fabricação de máscaras de proteção respiratória

Para fins de fabricação, a máscara deve atender os requisitos especificados na ABNT PR 1002 quanto à dimensão (corresponder à morfologia média da população brasileira alvo), embalagem (protegidas de danos mecânicos e de qualquer contaminação antes do uso), materiais (capazes de suportar manipulação e desgaste durante a vida útil da máscara de proteção respiratória para uso não profissional indicada pelo fabricante), limpeza e secagem (projetada para ser reutilizável, e os materiais utilizados devem suportar os produtos e os métodos de limpeza e secagem), estado superficial das peças (livres de bordas afiadas e manchas), penetração do composto multicamada (capacidade de filtragem de 70 % para partículas sólidas ou para partículas líquidas), segurança da pele e do ar inalado (não podem apresentar riscos conhe­cidos de irritação ou efeitos adversos à saúde), conjunto de alças3(projetado de forma que não possa ser facilmente colocada e removida) e resistência respiratória.

A ABNT PR 1002 especifica ainda os métodos de ensaio destinados a validar o desempenho das máscaras de proteção respiratória, os requisitos para embalagem do produto e os procedimentos e cuidados para produção das máscaras.

Materiais recomendados

Para fins de ampliar o acesso, é importante que a máscara de proteção respiratória para uso não profissional tenha baixo custo.

Devem ser evitados os tecidos que possam irritar a pele, como poliéster puro e outros sintéticos, sendo recomendados preferencialmente os tecidos que tenham algodão na sua composição.

Informações quanto à composição dos tecidos:

  • 100 % algodão - características finais quanto à gramatura: 90 a 110 (por exemplo, usado comumente para a fabricação de lençóis de meia malha 100 % algodão); 120 a 130 (por exemplo, usado comumente para a fabricação de forros para ); e 160 a 210 (por exemplo, usado para a fabricação de camisetas).

  • Misturas – composição: 90 % algodão com 10 % elastano; 92 % algodão com 8 % elastano; 96% algodão com 4 % elastano.

Para a produção de máscaras de proteção respiratória não profissionais, pode ser utilizado tecido nãotecido (TNT) sintético, desde que o fabricante garanta que o tecido não causa alergia e desde que ele seja adequado para o uso humano. Quanto à gramatura desse tecido, recomenda-se que seja de 20 g/m2 a 40 g/m2.

É recomendável que o produto manufaturado tenha três camadas: uma camada de tecido não imper­meável na parte frontal, uma de tecido respirável no meio e uma de tecido de algodão na parte em contato com a superfície do rosto.

Recomendações de tecidos para a fabricação artesanal de máscaras de proteção respiratória

  • Usar tecidos compactos, densos

  • Montar em duas ou três camadas (mesmo tecido ou tecidos diferentes)

  • Usar tecidos que permitam a passagem de ar durante a respiração

  • Usar tecidos flexíveis o suficiente para serem aplicados ao redor do rosto, garantindo a estanqueidade

  • Usar tecidos que não retenham calor

  • Usar tecidos agradáveis e não irritantes

  • Não usar tecidos leves e muito porosos

  • Não usar grampos no da máscara de proteção respiratória

  • Não utilizar tecidos que bloqueiem a passagem de ar durante a respiração;

  • Não utilizar tecidos muito rígidos e que não promovam a estanqueidade

  • Não usar tecidos que retenham calor

  • Não usar tecidos irritantes que incomodem o usuário

  • Não fazer costuras verticais ao longo do nariz, boca e queixo

Fonte: Associação Brasileira de Normas Técnicas Prática Recomendada: ABNT PR 1002: Máscaras de proteção respiratória para uso não profissional: Guia de requisitos básicos para métodos de ensaio, fabricação e uso / Associação Brasileira de Normas Técnicas. – Rio de Janeiro: ABNT, 2020.

Recent Posts
Archive

Grupo Realiza - Saúde e Segurança do Trabalho, Consultoria e Treinamentos

Rua Alberto Bins, 658/402

Centro - Porto Alegre/RS

comercial@realizaconsultoria.com.br

Tel: (51) 3224-0032

       (51) 99266-3248

whats branco.png
  • Facebook Social Icon
  • Google+ Social Icon
  • LinkedIn Social Icon

© 2020 | Grupo Realiza